Todas as 60 vagas ofertadas para o campus de Altamira foram preenchidas.
Calouros devem iniciar as aulas em outubro deste ano.

Mais de 3,6 mil inscritos concorreram às 60 vagas ofertadas para o curso de medicina, em Altamira, pela Universidade Federal do Pará. (Foto: Alexandre Moraes/UFPA)

Mais de 3,6 mil inscritos concorreram às 60 vagas ofertadas para o curso de medicina, em Altamira, pela Universidade Federal do Pará. (Foto: Alexandre Moraes/UFPA)

A Universidade Federal do Pará (UFPA) divulgou na manhã desta terça-feira (30), em Belém, a relação com os candidatos aprovados no Processo Seletivo Especial para o curso de medicina em Altamira, no sudoeste do Pará. Confira aqui o listão.

De acordo com a instituição, mais de 3,6 mil inscritos concorreram às 60 vagas ofertadas, que foram totalmente preenchidas. Do total, 426 candidatos ficaram de fora da disputa porque não compareceram aos locais de prova no dia de aplicação dos exames.

A primeira prova do concurso foi realizada no último dia 5 de maio, nos dois campis da UFPA em Altamira e em mais oito escolas do município. O exame continha 45 questões sendo nove de cada uma das disciplinas de língua portuguesa, matemática, história, geografia e literatura. A segunda etapa do concurso transcorreu no dia 3 de julho, com 45 questões das disciplinas de áreas específicas ligadas à medicina: 15 questões de biologia, 15 de física e 15 de química. Já a terceira e última etapa foi realizada em dia 31 de julho, com a aplicação de uma prova de redação.

Segundo a UFPA, as aulas para os futuros calouros devem começar no segundo semestre letivo da universidade que, este ano, se inicia no mês de outubro, por causa do calendário de reposição de aulas necessário pela greve de professores e técnicos da instituição, em 2015. As demais informações sobre matrículas e vínculo institucional devem ser consultadas na página do Centro de Processos Seletivos da UFPA.

O novo curso de medicina em Altamira surgiu de iniciativas do campus daquele município frente ao interesse do Ministério da Educação (MEC) em ampliar a oferta de vagas na área de medicina e ampliar a residência médica em várias regiões do país, por meio do Programa Mais Médicos, do governo federal, e ainda da alta demanda que a região apresentava para a implantação do curso de graduação graduação.