Flacso Brasil https://flacso.org.br Fri, 12 Aug 2022 00:52:47 +0000 pt-BR hourly 1 https://flacso.org.br/files/2022/05/cropped-1_Flacso-LGTP-Principal-Azul-A-1-32x32.png Flacso Brasil https://flacso.org.br 32 32 Especialização em Cultura e Educação da Flacso Brasil terá Mesa Coordenada no Enecult https://flacso.org.br/2022/07/21/especializacao-em-cultura-e-educacao-da-flacso-brasil-tera-mesa-coordenada-no-enecult/ https://flacso.org.br/2022/07/21/especializacao-em-cultura-e-educacao-da-flacso-brasil-tera-mesa-coordenada-no-enecult/#respond Thu, 21 Jul 2022 16:39:23 +0000 http://flacso.org.br/?p=28829 No dia 9 de agosto será realizada a Mesa Coordenada Cultura e Educação: Experiências em Instituições de Ensino Superior no 18º Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (Enecult), promovido pelo Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (Cult) da Universidade Federal da Bahia (UFBA). A mesa é fruto da Especialização em Cultura e Educação da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil) e terá participação de integrantes da coordenação do curso e de especialistas formados na segunda turma da pós-graduação.

A mesa, que faz parte do GT Culturas e Universidades, propõe o diálogo entre trabalhos que narram experiências ligadas à oferta formativa e à gestão de políticas culturais alinhadas às questões educacionais em Instituições de Ensino Superior. 

Coordenação de Karen Kristien Silva dos Santos (Flacso Brasil) – Mestra pelo programa Cultura e Territorialidades da Universidade Federal Fluminense. É especialista em em Linguagens Artísticas, Cultura e Educação pelo Instituto Federal do Rio de Janeiro e  em Políticas Culturais de Base Comunitária pela Flacso Argentina, onde integra a coordenação da especialização em Cultura e Educação. No momento, atua em processos formativos com foco em juventudes e direitos humanos. Desenvolve pesquisas no campo de políticas culturais, educação e políticas públicas, com enfoque em direitos culturais. 

Renata Montechiare (Flacso Brasil) – É coordenadora do Núcleo de Estudos e Políticas de Cultura e Diversidade da Flacso Brasil e da Especialização em Cultura e Educação da instituição. Doutora e mestre em Antropologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Trabalha com temas relacionados à produção cultural, cultura e educação, diversidade cultural, patrimônio e museus, com pesquisas sobre coleções, objetos e exposições etnográficas, em especial nos museus de antropologia na Espanha. Atualmente, coordena um grupo de pesquisa em educação intercultural com foco em educação escolar indígena, quilombola e do campo no Brasil.

Camila L. Corrêa da Costa (UFRJ) – Produtora cultural da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), atualmente lotada no Fórum de Ciência e Cultura, onde exerce a função de Diretora de Produção da Superintendência de Difusão Cultural. Especialista em Cultura e Educação pela Flacso Brasil, é mestre em Políticas Públicas pelo Programa de Políticas Públicas e Formação Humana da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPFH/UERJ). Em 2021, após eleição em assembleia, passou a integrar a Diretoria Executiva do Fórum Nacional de Gestão Cultural das Instituições de Ensino Superior (FORCULT).

Fabio Augusto Cerqueira (Unicamp) – Gestor cultural na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), especialista em Direito Constitucional Aplicado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); e em Cultura e Educação pela Flacso Brasil. Desenvolve pesquisa em gestão cultural, políticas públicas de cultura e políticas culturais para as universidades.

A atividade faz parte do XVIII Enecult, que acontece entre 9 e 12 de agosto, de forma híbrida.

Serviço

Data:  09/08

Horário: 16h30

Transmissão Online – Youtube – https://www.youtube.com/Enecult

Enecult

A décima oitava edição do Enecult, promovido pelo Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (Cult) da Universidade Federal da Bahia (UFBA), acontecerá entre os dias 9 e 12 de agosto de 2022.

Já passaram pelo ENECULT nestes 17 anos autores e pesquisadores de referência mundial como: Mia Couto (Moçambique), Antonio Lafuente (Espanha), Armand Mattelart (França), Armando Silva (Colômbia), Daniel Gonzalez (Argentina), Daniel Mato (Venezuela), Durval Muniz de Alburquerque Jr. (Brasil), Eduardo Nivón Bolán (México), George Yúdice (EUA), Gonzalo Carámbula (Uruguai), Manuel Garretón (Chile), José Miguel Wisnik (Brasil), Massimo Canevaci (Itália) Muniz Sodré (Brasil), Natália Ramos (Portugal), Octávio Getino (Argentina), Renato Ortiz (Brasil), Rocío Ortega (Paraguai), Rubens Bayardo (Argentina), Sérgio Amadeu (Brasil), Xan Bouzada Fernández (Espanha), Silvia Vetrale (Uruguai) e Victor Vich (Peru).

O XVII Enecult é promovido pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), por meio do Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura (CULT), Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade (Pós-Cultura) do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos (IHAC) e Faculdade de Comunicação (Facom).

Para saber mais, acesse a página do Enecult.

*Com informações: Cult – UFBA 

]]>
https://flacso.org.br/2022/07/21/especializacao-em-cultura-e-educacao-da-flacso-brasil-tera-mesa-coordenada-no-enecult/feed/ 0
Revista aborda histórico dos Acampamentos Terra Livre e relatos das atividades da edição de 2022 https://flacso.org.br/2022/06/28/revista-atl-2022/ https://flacso.org.br/2022/06/28/revista-atl-2022/#respond Tue, 28 Jun 2022 23:34:16 +0000 https://flacso.org.br/?p=28627

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), em parceria com a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil), lança a revista ATL 2022, trazendo um histórico dos Acampamentos Terra Livre e relatos das atividades da edição de 2022.

“Em 2022 chegamos ao marco de 18 anos de realização do Acampamento Terra Livre (ATL). Desses, foram dois anos de realização virtual, em razão da pandemia da Covid-19, na qual perdemos muitos dos nossos. No entanto, seguimos com as forças da ancestralidade, nos reerguendo e conseguimos voltar às ações presenciais com o tema: ‘Retomando o Brasil: Demarcar Territórios e Aldear a Política’, ocupando a capital federal de 4 a 14 de abril”, diz o texto de apresentação.

O Acampamento Terra Livre (ATL), a maior Assembleia dos Povos e Organizações Indígenas do Brasil, que acontece desde 2004, por regra todo mês abril, inaugurou um marco histórico para o Movimento Indígena, consolidando as estruturas para a contínua mobilização nacional dos Povos Indígenas do Brasil, possibilitando inclusive formalmente a criação da Apib. A revista sistematiza, além dos acontecimentos do ATL 2022, as reivindicações de todos os ATLs anteriores, consistindo em documento de consulta sobre a luta dos povos indígenas.

]]>
https://flacso.org.br/2022/06/28/revista-atl-2022/feed/ 0
Imprensa chinesa repercute a entrada do país como Estado Observador no Sistema Flacso https://flacso.org.br/2022/06/28/imprensa-chinesa-repercute-a-entrada-da-china-como-estado-observador-no-sistema-flacso/ https://flacso.org.br/2022/06/28/imprensa-chinesa-repercute-a-entrada-da-china-como-estado-observador-no-sistema-flacso/#respond Tue, 28 Jun 2022 14:40:17 +0000 https://flacso.org.br/?p=28617 A China foi aprovada como Estado Observador no Sistema Flacso na Assembleia Geral da Flacso, realizada no dia 24 de junho em Quito, Equador. A imprensa chinesa repercutiu a notícia e conversou com a diretora da Flacso Brasil, Salete Valesan Camba, sobre seu significado para as relações de cooperação entre China e América Latina.

Acesse aqui a matéria do People’s Daily.

]]>
https://flacso.org.br/2022/06/28/imprensa-chinesa-repercute-a-entrada-da-china-como-estado-observador-no-sistema-flacso/feed/ 0
Programa de entrevistas sobre Juventudes, promovido pela Flacso Chile, conversa com Miriam Abramovay https://flacso.org.br/2022/06/27/ciclo-de-entrevista-sobre-juventudes-promovido-pela-flacso-chile-conversa-com-miriam-abramovay/ https://flacso.org.br/2022/06/27/ciclo-de-entrevista-sobre-juventudes-promovido-pela-flacso-chile-conversa-com-miriam-abramovay/#respond Mon, 27 Jun 2022 17:08:00 +0000 https://flacso.org.br/?p=28602 A coordenadora do núcleo de Estudos e Políticas sobre Juventudes, Educação e gênero: violências e resistências da Flacso Brasil, Miriam Abramovay, foi a primeira entrevistada da série Juventudes Impulsionando Cambios (Juventudes impulsionando mudanças, em tradução livre), promovida pela Flacso Chile.

Miriam conversou com a pesquisadora da Flacso Chile Verónica Cenitagoya Garín sobre juventudes e violências. Confira a entrevista completa aqui.

]]>
https://flacso.org.br/2022/06/27/ciclo-de-entrevista-sobre-juventudes-promovido-pela-flacso-chile-conversa-com-miriam-abramovay/feed/ 0
Assembleia Geral da Flacso indica nova diretora da Flacso Brasil https://flacso.org.br/2022/06/24/assembleia-geral-da-flacso-indica-nova-diretora-da-flacso-brasil/ Fri, 24 Jun 2022 17:24:33 +0000 https://flacso.org.br/?p=28562 A XXIV Assembleia Geral do Sistema Flacso nomeou Rita Gomes do Nascimento para o posto de diretora da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais sede Brasil (Flacso Brasil), em encontro realizado nesta sexta-feira (24) em Quito, Equador. A candidatura de Rita Gomes foi apresentada pelo Conselho Superior da Flacso, que se reuniu no dia 23 de junho, também em Quito, a partir de indicação do Conselho Acadêmico da Flacso Brasil. Ela irá suceder a Salete Valesan Camba, que está na direção da Flacso Brasil desde 2014. O mandato de Rita Gomes terá início no dia 20 de julho.

A Assembleia Geral da Flacso aprovou por aclamação resolução de reconhecimento aos trabalhos realizados por Salete Valesan Camba enquanto diretora da Flacso Brasil para o “fortalecimento e desenvolvimento da sede, assim como do Sistema Flacso como um todo”.

O plenário também indicou Rebecca Lemos Igreja, coordenadora do Colégio Latino-Americano de Ciências Sociais, programa da Flacso Brasil, como membro do Conselho Superior da Flacso.

Rita Gomes é indígena do Povo Potyguara do Ceará. Pedagoga, Rita é doutora e mestra em Educação pela Universidade federal do Rio Grande do Norte (UFRN), especialista em Gestão Escolar pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), e realizou Pós-Doutorado no Programa de Estudos Pós Doutorais (PEP) da Universidad Nacional Tres de Febrero/Argentina (UNTREF/AR).

Rita já integrava o quadro de membros do Conselho Acadêmico da Flacso Brasil, onde coordena o Programa de Estudos e Pesquisas sobre Educação, Direitos Humanos e Diversidade Étnico-Racial. É professora da Secretaria da Educação (SEDUC), lotada no Conselho Estadual de Educação (CEE) do Ceará.

Foi também conselheira da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, com mandato de 2010 a 2016. Exerceu o cargo de coordenadora Geral de Educação Escolar Indígena de 2012 a 2015 e de diretora de Políticas de Educação do Campo, Indígena e para as Relações Étnico-Raciais de 2015 a 2019 no Ministério da Educação.

 

 

]]>
Nova pesquisa mostra que Justiça depende cada vez mais da Internet https://flacso.org.br/2022/06/23/nova-pesquisa-mostra-que-justica-depende-cada-vez-mais-da-internet/ Thu, 23 Jun 2022 14:13:08 +0000 https://flacso.org.br/?p=28556 Por Matheus Leitão, Revista Veja

O acesso à Justiça depende, cada vez mais, da qualidade do acesso e da conexão à internet. Essa é a opinião de 96% dos juízes que participaram de uma pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisas Judiciais (CPJ) da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) em conjunto com o Laboratório de Acesso à Justiça e Desigualdade da Faculdade de Direito da Universidade de Brasília (UnB) e o Colégio Latino-Americano de Estudos Mundiais da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil) sobre o uso de novas tecnologias pelo Judiciário. O estudo ouviu 1.859 juízes de 8 de fevereiro a 8 de março.

Leia a matéria completa no site da Revista Veja.

 

]]>
Biblioteca do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Uerj reabre as portas após período de modernização e revitalização https://flacso.org.br/2022/06/22/biblioteca-do-instituto-de-estudos-sociais-e-politicos-da-uerj-reabre-as-portas-apos-periodo-de-modernizacao-e-revitalizacao/ Wed, 22 Jun 2022 20:18:04 +0000 https://flacso.org.br/?p=28549 Por Diretoria de Comunicação da UERJ

Foto: Rede Sirius

Uma das bibliotecas especializadas em Ciência Política e Sociologia mais completas do Rio de Janeiro voltou a abrir as portas ao público. Após ampla reforma e reorganização do acervo, foi reinaugurada, no dia 6 de maio, a sala CCS (Centro de Ciências Sociais) / D – Professor Wanderley Guilherme dos Santos, no Instituto de Estudos Sociais e Políticos (Iesp) da Uerj, em Botafogo.

O espaço, que integra a Rede Sirius – sistema composto pelas 25 bibliotecas da Universidade – abriga aproximadamente 26.000 livros. Além das duas áreas centrais, são contempladas áreas correlatas, como Educação, Economia, História, Antropologia, Filosofia, Direito e Administração Pública.

De acordo com a bibliotecária responsável, Rosalina Barros, além das aquisições usuais, realizadas continuamente com recursos obtidos por meio de projetos apoiados pelas agências públicas de fomento, a CCS/D tem recebido diversas doações institucionais e individuais. “Foram firmados acordos que tornaram possível hospedarmos, por exemplo, os ricos acervos da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) do Brasil e do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), englobando textos clássicos e contemporâneos”, explica.

Foto: Rede Sirius

Dentre as inúmeras coleções, destaca-se a Brasiliana, com suas obras raras. O acervo reúne ainda volumes provenientes de doações realizadas pelos professores Wanderley Guilherme dos Santos, Simon Schwartzman e Amaury de Souza, fundadores do antigo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), que deu origem ao Iesp.

Também estão disponíveis para consulta 170 publicações periódicas nacionais e estrangeiras, somando quase 3.800 fascículos. Incluem-se títulos representativos, como: Dados – Revista de Ciências Sociais; Cadernos de Ciência Política; Tempo Brasileiro; Desarrollo Económico; World Politics; Revista Inteligência, Sociological Methods & Research, Journal of Politics; Revista Brasileira de Ciências Sociais; e Revista América Latina, entre outros.

Completam o acervo 340 dissertações e teses em Sociologia e Ciência Política, impressas e em arquivo PDF – na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD/Uerj). Outros 240 trabalhos foram digitalizados e, em breve, passarão por catalogação.

Mudanças no acesso

Rosalina Barros é a responsável pela biblioteca CCS/D. Foto: Rede Sirius

Depois de uma reforma de um ano, o espaço abriu revitalizado, com sala de estudos, novos mobiliários e equipamentos – tudo pensado com a finalidade de aprimorar o suporte ao ensino, à pesquisa e à extensão da Uerj. Uma das novidades é a adoção do sistema de livre acesso ao acervo, que possibilita ao estudante pesquisar o título desejado no catálogo e ir direto até a estante pegá-lo. Para garantir a segurança necessária aos livros e maior liberdade aos usuários, foram instalados guarda-volumes e sistemas antifurto. Além disso, todas as obras foram magnetizadas.

“A partir de agora, nossos usuários poderão dispor de instalações mais modernas, com condições confortáveis para leitura e pesquisa. Esperamos que essas mudanças propiciem à nossa comunidade um local de convergência, cujo ambiente convide para a entrada e a permanência no interior da biblioteca”, estima Rosalina Barros.

Homenagem

Professor Fabiano Santos recebe homenagem das mãos da diretora da Rede Sirius, Leila Andrade. Foto: Rede Sirius

A CCS/D recebeu o nome de Wanderley Guilherme dos Santos como uma homenagem ao professor que contribuiu ativamente para enriquecer o acervo, tanto pelas suas produções acadêmicas quanto pela doação de diversas obras.

Fabiano Mendes Santos, professor do Iesp e filho de Wanderley, revela que toda a família se sentiu muito lisonjeada com o reconhecimento. “Eu, meus irmãos, minha filha e meus sobrinhos ficamos muito emocionados e honrados com a homenagem. Trata-se de um espaço de enorme importância cultural e acadêmica na cidade e de imenso simbolismo para nós. Crescemos aprendendo a dar valor aos livros, pois meu pai sempre cultivou bibliotecas volumosas. Seu amor pelos livros e a leitura era tão grande quanto seu apego à vida. Ter seu nome em uma biblioteca e sendo esta a do Instituto pelo qual tanto lutou é, talvez, a melhor homenagem que se possa fazer à sua memória e ao seu legado”, afirma.

Segundo Fabiano, o lugar foi fundamental em sua formação e terá papel semelhante para quem ainda está por vir. “As futuras gerações certamente aprenderão sobre a importância do conhecimento ali depositado (meu sobrinho, neto do Wanderley, é aluno de Ciências Sociais e, pelo visto, já está seguindo esse caminho). Cada item possui uma razão de estar na biblioteca WGS. Assim, todo esse acervo ajudará a moldar o perfil intelectual dos formados em nosso instituto, além de prestar serviço de extrema relevância para o público do Rio de Janeiro”, finaliza.

Veja todos os endereços e horários de funcionamento das bibliotecas da Uerj no site www.rsirius.uerj.br.

Fotos: Rede Sirius

]]>
Escolas sob ameaça https://flacso.org.br/2022/06/22/escolas-sob-ameaca/ Wed, 22 Jun 2022 15:19:41 +0000 https://flacso.org.br/?p=28544 Escalada da violência expõe dificuldades no acolhimento aos estudantes e escancara ausência de política nacional para combater o problema

Por Guilherme Padin, do R7

Professores atacados por alunos com estilete em São Paulo (SP) e golpe de mata-leão em Itararé, no interior paulista. Um jovem de 16 anos esfaqueado pelo colega em uma escola de Poá, na região metropolitana. Três estudantes feridos por um colega com uma faca no Rio de Janeiro (RJ). Um adolescente levado à delegacia após chegar à sala de aula, em Cascavel (PR), com uma arma calibre .38.

As cenas ocorridas nas últimas semanas, enquanto os Estados Unidos se chocavam com a morte de 19 crianças e dois adultos durante o massacre causado por um jovem de 18 anos na escola primária onde estudou em Uvalde, no Texas, jogam luz sobre a escalada da violência nas escolas em 2022.

Além disso, os episódios trazem à tona problemas sociais que se agravaram com a pandemia de Covid-19, como a desigualdade, a ausência de políticas públicas de educação e de apoio à saúde mental.

Segundo estatísticas da Seduc-SP (Secretaria da Educação do Estado de São Paulo), houve aumentos expressivos em estatísticas sobre agressões físicas, humilhação sistêmica e ameaças, considerados os períodos de janeiro a março de 2019 e de 2022. O tema será alvo de debate na Comissão de Educação do Senado, após solicitação, em abril, de Confúcio Moura (MDB-RO).

Simultaneamente, instituições públicas e particulares de vários estados vêm recebendo ameaças de massacre com alguma frequência desde o fim de março. Há relatos semelhantes em municípios de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Pará, Mato Grosso do Sul, Alagoas, Rio Grande do Sul, Bahia, Tocantins, Goiás, Espírito Santo e do Distrito Federal.

Somente em cidades paulistas, no período de um mês – entre o início de abril e de maio –, a reportagem contabilizou 18 ameaças. […]

Apoio especializado

Psicólogas e demais entrevistados ouvidos pela reportagem ressaltam que, além do melhor preparo dos docentes, a presença diária de profissionais especializados nas instituições pode ajudar a identificar alunos com potencial de agressividade, acolhê-los e prevenir ao menos parte desses casos. […]

Para que a prevenção se concretize, defende Miriam Abramovay, socióloga, doutora em Educação e coordenadora da área de juventude e políticas públicas da Flacso (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais), gestores e docentes devem estar mais bem preparados para enfrentar a violência e trabalhar a convivência escolar.

“Eles têm que conhecer essa população com quem vão lidar, saber detectar coisas que dizem que não é obrigação deles, mas não tem outro jeito. É interessante ver como a escola acaba sendo um lugar de proteção, e estudos nos Estados Unidos mostram que a violência intrafamiliar aumenta nas férias. Para nós, acontece igual. A escola adquire cada vez mais importância na sociedade, então é necessária uma formação ampla para lidar com todos esses problemas”, afirma Miriam. […]

Ausência de políticas públicas

A socióloga Miriam Abramovay também observou o forte impacto provocado pela pandemia de Covid-19 e o consequente isolamento social na escalada da violência.

“Era necessário oferecer um ambiente mais acolhedor a esses estudantes, e na verdade a escola continuou exatamente a mesma. Algo aconteceu com toda essa população durante a pandemia, e não é levado em conta”, comenta.

Para ela, o tema carece de mais atenção das administrações públicas, uma vez que se relaciona a outros problemas sociais. “Não se fala nisso com a mesma importância como sobre a evasão, a repetência, a não aprendizagem, que são fundamentais. E todos têm a ver com a violência no cotidiano da escola”, ressalta.

“A violência não é só física, mas tem uma que é do cotidiano, que é o racismo, a homofobia, uma violência de classes com os mais pobres, e só chama a atenção quando se torna violência dura, que está no Código Penal”, afirma Miriam.

Leia a matéria completa no R7.

]]>
Confira as atividades da Flacso na #CLACSO2022 https://flacso.org.br/2022/06/06/confira-as-atividades-da-flacso-na-clacso2022/ Mon, 06 Jun 2022 16:27:32 +0000 https://flacso.org.br/?p=28419 Essa semana, entre os dias 7 e 10 de junho, acontece a 9ª Conferência Latino-Americana e Caribenha de Ciências Sociais, com o tema “Quadros de desigualdades na América Latina e Caribe – Conhecimentos, lutas e transformações”.

A Conferência, organizada pelo Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso), contará com atividades presenciais no México e transmissão ao vivo pela Clacso TV.

Confira algumas das atividades que contarão com a participação de pesquisadoras(es) da Flacso Brasil:

06/06

– Oficina Presencial nº 9 – Ensino de Ciências Sociais da América Latina: experiências de pesquisa e construção de categorias críticas

08/06

– Eixo 21: Juventudes, infancias y políticas
Mesa 698

– Eixo 8: Derecho a la educación, políticas públicas y alternativas pedagógicas
Mesa 242

09/06

– Eixo 21: Juventudes, infancias y políticas
Painel 4 – Retos y oportunidades de la investigación en juventud

– Eixo 21: Juventudes, infancias y políticas
Atividade especial – Inauguração e boas vindas ao encontro

– Eixo 25: Políticas de integración, cooperación y multilateralismo
Mesa 510

10/06

– Eixo 8: Derecho a la educación, políticas públicas y alternativas pedagógicas
Mesa 213

– Eixo 21: Juventudes, infancias y políticas
Painel Mundos violentos y nuevas generaciones

Para inscrições e mais informações, acesse: https://conferenciaclacso.org/?idioma=pt

]]>
Juízas se queixam do avanço da violência doméstica com trabalho remoto no Judiciário https://flacso.org.br/2022/06/02/juizas-se-queixam-do-avanco-da-violencia-domestica/ Thu, 02 Jun 2022 14:04:06 +0000 https://flacso.org.br/?p=28410
Por José Marques – Folha de S.Paulo

Uma pesquisa realizada pela AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) apontou que uma parcela significativa das juízas de direito viu, dentro da classe, um aumento da violência familiar contra mulheres e o acúmulo de trabalho na Justiça com atividades domésticas durante o período de home office.

Parte das magistradas que respondeu ao levantamento, feito em parceria com a UnB (Universidade de Brasília), também afirmou que essa acumulação de serviço dificulta o avanço na carreira da magistratura para as mulheres.

A pesquisa, à qual a FOLHA teve acesso, teve a participação de 1.859 juízes e juízas entre os dias 8 de fevereiro e 8 de março deste ano, em um questionário online, que incluiu questões relativas a gênero, raça e idade, entre outros.

O principal objetivo do levantamento era entender o que mudou na atividade dos juízes com a utilização de novas tecnologias, introduzidas sobretudo no contexto da pandemia. O trabalho foi feito pelo CPJ (Centro de Pesquisas Judiciais) da AMB, com a UnB e a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil).

Acesse a matéria completa aqui.

]]>