A Universidade de Brasília (UnB) deu o título de doutora honoris causa para a filósofa e escritora Sueli Carneiro. A decisão foi tomada em reunião do Conselho Universitário (Consuni) da UnB nesta sexta-feira (18).

Carneiro é conhecida por sua produção intelectual sobre o feminismo negro, entre outros temas, e por seu ativismo no movimento antirracista. Além da atividade teórica e analítica amplamente difundida nos seus escritos, Carneiro fundou o Instituto Gelédes, organização da sociedade civil que se posiciona em defesa de mulheres e negros. O instituto é parceiro da Flacso Brasil.

A diretora da Flacso Brasil, Salete Sirlei Valesan Camba, participou da reunião enquanto representante do Conselho Comunitário da UnB no Consuni. A Flacso Brasil é membro do Conselho Comunitário da universidade. Salete destaca a “contribuição inquestionável do pensamento e da luta de Sueli Carneiro para o combate ao racismo, ao sexismo e às desigualdades no país”.

A reitora da UnB, Márcia Abrahão, disse ao Metrópoles que é “uma alegria e uma honra” para a universidade atribuir o título para Carneiro “principalmente no mês da mulher”.

“Com esse gesto, a UnB dá mais uma demonstração de reconhecimento do valor da diversidade para a construção do conhecimento e de seu empenho no combate ao racismo. Eu me orgulho da decisão tomada pelo Consuni”, acrescentou.O título de doutor honoris causa é dado a pessoas com “relevante projeção nacional ou internacional, que tenham contribuído de modo notável, para o progresso das Ciências, Letras, Artes ou Cultura em geral e/ou que tenham beneficiado de forma excepcional à humanidade ou o país”, explicou, em nota, a UnB.

A vida de Sueli Carneiro é contada no livro “Continuo preta: a vida de Sueli Carneiro”, escrito pela jornalista Bianca Santana.

*Com informações do portal Metrópoles