Colégio Bandeirantes registra segundo suicídio de aluno em 15 dias

Dados da pesquisa Violência Letal contra as Crianças e Adolescentes do Brasil e do Mapa da Violência, publicações da Flacso Brasil​ produzidas pelo coordenador da Área de Estudos sobre a Violência, Julio Jacobo Waiselfisz, mostram que o suicídio entre jovens é elevado no país, ficando 20% acima da média nacional.

 

O Colégio Bandeirantes, instituição de ensino localizada no bairro da Vila Mariana, em São Paulo, divulgou uma nota aos pais informando do segundo suicídio registrado de mais um dos seus alunos em um intervalo de duas semanas. O caso mais recente é de um dos estudantes do terceiro ano do Ensino Médio.

A instituição reforça a “tristeza e pesar” dos docentes e anunciou as medidas que estão sendo adotadas pelo colégio após as ocorrências. “Do ponto de vista institucional, desde o primeiro acontecimento, estamos acolhendo os alunos mais vulneráveis e planejamos diversas ações de trabalho em posvenção, com assessoria de uma especialista em prevenção e ao luto ao suicídio.”

De acordo com o colégio, “os professores e funcionários foram preparados para o reinício das aulas do segundo bimestre”, nesta segunda-feira (23), e “foram planejados espaços de diálogo e de acolhimento para todas as turmas” que começam nesta semana.

Já para os alunos do último ano do Ensino Médio, a instituição cancelou as aulas desta segunda e na terça-feira (24), estão previstas atividades para reflexão, diálogo e ações de acolhimento com o apoio de uma psicóloga.

O suicídio entre jovens é elevado no país. Entre 1980 e 2012, as taxas de suicídio cresceram 62,5% na população em geral. Na faixa etária dos 15 aos 29 anos, a média aumenta em ritmo mais rápido do que em outros segmentos. São 5,6 mortes a cada 100 mil jovens (20% acima da média nacional). Os dados são da pesquisa Violência Letal contra as Crianças e Adolescentes do Brasil e do Mapa da Violência: os Jovens do Brasil, ambos coordenados pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), organismo de cooperação internacional para pesquisa.

Veja a nota completa divulgada pelo colégio:

“Prezados responsáveis,

É com tristeza e pesar que comunicamos o falecimento de um de nossos alunos do 3º ano do Ensino Médio.  No intervalo de duas semanas, passamos duas vezes pela situação de mortes por suicídio. Contudo, compreendemos que cada morte deve ser tratada como um caso singular e por isso, a escola procura posicionar-se respeitando as decisões e os desejos de cada família.

Do ponto de vista institucional, desde o primeiro acontecimento, estamos acolhendo os alunos mais vulneráveis e planejamos diversas ações de trabalho em posvenção, com assessoria de uma especialista em prevenção ao suicídio e luto por suicídio. Professores e funcionários foram preparados para o reinício das aulas de 2.o bimestre. Foram planejados espaços de diálogo e de acolhimento para todas as turmas, que se iniciam a partir dessa semana – 23/04.

Em relação às turmas de 3.os anos do EM, as aulas do dia 23/04 estão suspensas e no dia 24/04, durante as atividades escolares, serão organizados espaços para reflexão, diálogo e ações de acolhimento e de ajuda em situações de crise com apoio da Dra. Karina Okajima Fukumitsu, equipes de OE e CPG.

Em relação às demais séries, a escola está preparada para receber os alunos nesse momento tão difícil e juntos, ajudá-los no enfrentamento do luto.

Atenciosamente,
Direção, Coordenação, Orientação Educacional e Equipe de CPG”

ATENÇÃO AOS SINAIS

Saiba como identificar características de um jovem com tendências suicidas 

  • Alterações significativas na personalidade ou nos hábitos;
  • comportamento ansioso, agitado ou deprimido;
  • queda no rendimento escolar;
  • afastamento da família e de amigos;
  • perda de interesse por atividades de que gostava;
  • descuido com a aparência;
  • perda ou ganho repentinos de peso;
  • mudança no padrão usual de sono;
  • comentários autodepreciativos recorrentes ou negativos e desesperançosos em relação ao futuro;
  • disforia (combinação de tristeza, irritabilidade e acessos de raiva);
  • comentários sobre morte, sobre pessoas que morreram e interesse pelo assunto;
  • doação de pertences que valorizava;
  • expressão clara ou velada de querer morrer ou de pôr fim à vida.