Mapa da Violência – Série de estudos

Trata-se de pesquisas com dados secundários realizadas periodicamente com foco na problemática da juventude e a violência. O primeiro mapa foi realizado em 1998 e já foram divulgados até o dia de hoje 27 estudos. Inicialmente cada dois anos, posteriormente anual e, desde 2011, mais de um a cada ano. O foco global é sempre violência letal relacionada com a juventude, mas com abordagens temáticas diferenciadas: mulher, América Latina, acidentes de trânsito, infância e adolescência, armas de fogo, novas tendências etc. Desde 2012, início da articulação dos Mapas com a Flacso, já foram divulgados sete Mapas com temáticas diferenciadas.

Os agrupados sob o subtítulo genérico Os jovens do Brasil, abordaram as especificidades e a evolução da mortalidade violenta de nossa juventude, principal vítima desse drama brasileiro. Nesses trabalhos, a categoria de mortalidade violenta incluía não só os homicídios, mas também diversas outras violências letais, como suicídios e mortes em acidentes de transporte. Outros mapas centraram suas baterias em temas mais específicos e delimitados. Dois deles trabalhando o panorama da violência nos municípios brasileiros. Mas também há uma edição que tentou pesquisar os fatores determinantes das quedas sistemáticas da violência no Estado de São Paulo e, outro ainda trabalhou uma perspectiva mais ampla, tomando como arcabouço a violência na América Latina e no mundo. Também se tentou elaborar, em mais um estudo, uma anatomia dos homicídios no Brasil.

Objetivos

Avaliar a eficiência e suficiência das políticas públicas para juventude

Público envolvido

População, Imprensa, ONGs e órgãos governamentais

Período

Desde 1998

Abrangência

Nacional

Site

www.mapadaviolencia.org.br

Últimas notícias do projeto

misoginia

Raízes da intolerância – Misoginia

“Os homicídios de mulheres só caíram significativamente no primeiro ano de vigência da Lei Maria da Penha, depois os números cresceram e, em alguns períodos, de forma significativa. O problema não está na lei.”

Leia mais+
Este projeto pertence aos seguintes programas: Programa Estudos sobre a Violência