Mapa da Violência – Série de estudos

Trata-se de pesquisas com dados secundários realizadas periodicamente com foco na problemática da juventude e a violência. O primeiro mapa foi realizado em 1998 e já foram divulgados até o dia de hoje 27 estudos. Inicialmente cada dois anos, posteriormente anual e, desde 2011, mais de um a cada ano. O foco global é sempre violência letal relacionada com a juventude, mas com abordagens temáticas diferenciadas: mulher, América Latina, acidentes de trânsito, infância e adolescência, armas de fogo, novas tendências etc. Desde 2012, início da articulação dos Mapas com a Flacso, já foram divulgados sete Mapas com temáticas diferenciadas.

Os agrupados sob o subtítulo genérico Os jovens do Brasil, abordaram as especificidades e a evolução da mortalidade violenta de nossa juventude, principal vítima desse drama brasileiro. Nesses trabalhos, a categoria de mortalidade violenta incluía não só os homicídios, mas também diversas outras violências letais, como suicídios e mortes em acidentes de transporte. Outros mapas centraram suas baterias em temas mais específicos e delimitados. Dois deles trabalhando o panorama da violência nos municípios brasileiros. Mas também há uma edição que tentou pesquisar os fatores determinantes das quedas sistemáticas da violência no Estado de São Paulo e, outro ainda trabalhou uma perspectiva mais ampla, tomando como arcabouço a violência na América Latina e no mundo. Também se tentou elaborar, em mais um estudo, uma anatomia dos homicídios no Brasil.

Objetivos

Avaliar a eficiência e suficiência das políticas públicas para juventude

Público envolvido

População, Imprensa, ONGs e órgãos governamentais

Período

Desde 1998

Abrangência

Nacional

Site

www.mapadaviolencia.org.br

Últimas notícias do projeto

Pesquisa revela que 31% das brasileiras já sofreram violência apenas por ser mulher

Com o Dia Internacional da Mulher se aproximando, o portal especialista em saúde feminina, Trocando Fraldas, realizou uma pesquisa que contou com a participação de 14 mil mulheres: 31% das mulheres já sofreram violência, 3 em cada 5 mulheres já sofreram violência moral, seguida pelas violências física e sexual, entre outros dados. O Mapa da Violência 2015 – Homicídio de Mulheres no Brasil mostra que entre 2003 e 2013, o número de assassinatos de mulheres negras cresceu 54%, de 1.864 para 2.875 mortes.

Leia mais+

Agora é Lei: Agentes Comunitários de Saúde irão prevenir a violência doméstica

Segundo dados do Mapa da Violência 2015: Homicídio de Mulheres no Brasil, em um ranking liderado por El Salvador, o Brasil é o 5º país mais violento do mundo contra as mulheres. A agressão física é o caso mais comum, seguido de coerções psicológicas (ameaças em geral), morais (xingamentos e situações humilhantes), sexuais e patrimoniais. Câmara Municipal de São Paulo sancionou a Lei 16.823 que institui o Projeto de Prevenção da Violência Doméstica com a estratégia de saúde da família.

Leia mais+

Cidadão comum que sai armado tem mais chance de morrer, diz autor do Mapa da Violência

Julio Jacobo Waiselfisz, da Flacso Brasil, também se posiciona contra propostas de redução da maioridade penal e diz que o problema é de educação e não de segurança. Ainda analisa a crise do sistema penitenciário brasileiro e vê o excessivo encarceramento como incentivador do próprio crime organizado. “Se encarceraram 720 mil [total hoje de presos, segundo o Ministério da Justiça], e a violência diminuiu? O tráfico diminuiu? Não é isso que se vê.”

Leia mais+

Número de registros de feminicídios no Rio cresceu 63% em 2017

O Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) informou que a quantidade de casos na Justiça fluminense de mulheres mortas em função do gênero subiu de 54 para 88, em comparação do mesmo período de 2016 e 2017. As detenções resultantes de processos de violência doméstica, por sua vez, subiram 173,45% de 2011 a 2016. O Mapa da Violência Homicídios de Mulheres no Brasil estima que 13 mulheres são mortas por dia e mais 50% foram cometidos por familiares.

Leia mais+
Este projeto pertence aos seguintes programas: Estudos sobre a Violência