Mapa da Violência – Série de estudos

Trata-se de pesquisas com dados secundários realizadas periodicamente com foco na problemática da juventude e a violência. O primeiro mapa foi realizado em 1998 e já foram divulgados até o dia de hoje 27 estudos. Inicialmente cada dois anos, posteriormente anual e, desde 2011, mais de um a cada ano. O foco global é sempre violência letal relacionada com a juventude, mas com abordagens temáticas diferenciadas: mulher, América Latina, acidentes de trânsito, infância e adolescência, armas de fogo, novas tendências etc. Desde 2012, início da articulação dos Mapas com a Flacso, já foram divulgados sete Mapas com temáticas diferenciadas.

Os agrupados sob o subtítulo genérico Os jovens do Brasil, abordaram as especificidades e a evolução da mortalidade violenta de nossa juventude, principal vítima desse drama brasileiro. Nesses trabalhos, a categoria de mortalidade violenta incluía não só os homicídios, mas também diversas outras violências letais, como suicídios e mortes em acidentes de transporte. Outros mapas centraram suas baterias em temas mais específicos e delimitados. Dois deles trabalhando o panorama da violência nos municípios brasileiros. Mas também há uma edição que tentou pesquisar os fatores determinantes das quedas sistemáticas da violência no Estado de São Paulo e, outro ainda trabalhou uma perspectiva mais ampla, tomando como arcabouço a violência na América Latina e no mundo. Também se tentou elaborar, em mais um estudo, uma anatomia dos homicídios no Brasil.

Objetivos

Avaliar a eficiência e suficiência das políticas públicas para juventude

Público envolvido

População, Imprensa, ONGs e órgãos governamentais

Período

Desde 1998

Abrangência

Nacional

Site

www.mapadaviolencia.org.br

Últimas notícias do projeto

Apartheid social está por trás da violência no Brasil, diz pesquisador

O professor, sociólogo e pesquisador Julio Jacobo, coordenador da área de Estudos da Violência, da Flacso, diz que o Brasil tem uma segregação racial “exatamente igual” à África do Sul no período do Apartheid e que essa divisão é o pano de fundo para as mais de 786 mil mortes no país num período de 15 anos. Entre janeiro de 2001 e dezembro de 2015, o Brasil teve mais homicídios que as guerras de Síria e do Iraque.

Leia mais+

87% das mortes de mulheres em MG são feminicídio

No primeiro semestre deste ano, foram 199 casos desse tipo de crime, que acontece especificamente porque a vítima é mulher. Foi a primeira vez que a secretaria divulgou estatística separada para feminicídio. A Lei do Feminicídio entrou em vigor em março de 2015.

Leia mais+

Negros brasileiros não têm por que comemorar Declaração dos DH

Os dados oficiais sobre a população negra no Brasil indicam que esta é a parcela mais afetada pelos altos índices de violência da sociedade e a mais sujeita à violação de direitos. Os negros são maioria nos presídios e entre as vítimas de homicídios, ao mesmo tempo em que têm menos acesso à saúde e à educação e compõem o segmento mais pobre da população.

Leia mais+

É preciso frear as mortes de trânsito no país

Nos três primeiros anos após a nova legislação, o número de acidentes no país caiu, mas, a partir de 2000, voltou a subir e, em 2005, já havia retornado a patamares pré-Código. Mapa da Violência 2013, da Flacso Brasil, mostra panorama da evolução da violência no trânsito, com foco na mortalidade de motociclistas, no período compreendido entre 1980 e 2011.

Leia mais+
Este projeto pertence aos seguintes programas: Programa Estudos sobre a Violência