Flacso Brasil http://flacso.org.br Tue, 31 Jan 2023 20:32:53 +0000 pt-BR hourly 1 http://flacso.org.br/files/2022/05/cropped-1_Flacso-LGTP-Principal-Azul-A-1-32x32.png Flacso Brasil http://flacso.org.br 32 32 Nota de posicionamento em defesa das Instituições Democráticas do Brasil http://flacso.org.br/2023/01/09/nota-de-posicionamento-em-defesa-das-instituicoes-democraticas-do-brasil/ http://flacso.org.br/2023/01/09/nota-de-posicionamento-em-defesa-das-instituicoes-democraticas-do-brasil/#respond Mon, 09 Jan 2023 19:17:04 +0000 https://flacso.org.br/?p=29858
A Sede Acadêmica da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais – Flacso Brasil –, fiel a seus estatutos e propósitos, se solidariza com a sociedade, em especial com o governo brasileiro, no veemente repúdio à violência contra a democracia.

Os ataques desferidos ao Palácio do Planalto, ao Supremo Tribunal Federal e ao Parlamento são inaceitáveis. Só há democracia com a manutenção dos poderes constitutivos do Estado Democrático de Direito.

Que este trágico episódio seja capaz de unir ainda mais fortemente a sociedade brasileira na defesa das instituições, valores e práticas democráticas. Respeito, justiça e paz!

]]>
http://flacso.org.br/2023/01/09/nota-de-posicionamento-em-defesa-das-instituicoes-democraticas-do-brasil/feed/ 0
Flacso Brasil e FNEEI divulgam relatório sobre Educação Escolar Indígena no Brasil http://flacso.org.br/2022/12/21/flacso-brasil-e-fneei-divulgam-relatorio-sobre-educacao-escolar-indigena-no-brasil/ http://flacso.org.br/2022/12/21/flacso-brasil-e-fneei-divulgam-relatorio-sobre-educacao-escolar-indigena-no-brasil/#respond Wed, 21 Dec 2022 22:15:52 +0000 https://flacso.org.br/?p=29831

Flacso Brasil e FNEEI divulgam relatório sobre educação escolar indígena no Brasil

Foi publicado hoje (22/12) o relatório do Fórum Nacional de Educação Escolar Indígena (FNEEI). Na sexta edição do evento, que aconteceu entre novembro e dezembro em Brasília, a Flacso Brasil atuou em conjunto com lideranças indígenas para sistematizar documento que avalia e propõe ações para a Educação Escolar Indígena no Brasil. O documento foi organizado pela equipe do Programa Cidadania, Participação Social e Políticas Públicas sob a Coordenação Geral do VI FNEEI.

No material, as lideranças indígenas apontam uma agenda de diálogo sobre as propostas prioritárias para a Educação Escolar Indígena; realizam um diagnóstico da área; apresenta estratégias para atuação conjunta; e, por fim, demonstram o compromisso do Movimento Indígena Brasileiro para a Educação Escolar Indígena.

Acesse o documento em: Relatório Final do VI FNEEI

 

 

 

.

Entre em contato

Precisando de ajuda ou quer tirar alguma dúvida? Entre em contato conosco!

Brasília (sede)

SAIS Área 2-A, s/n, 1º andar, sala 121, CEP: 70.610-206, Brasília (DF), Brasil

flacsobr@flacso.org.br

Rio de Janeiro

Rua São Francisco Xavier, nº 524, 12º andar, sala 12.111, CEP: 20.550-013, Rio de Janeiro (RJ), Brasil

secretaria.academica@ flacso.org.br

São Paulo

Avenida Ipiranga, nº 1.071, sala 608, República CEP: 01.039-903, São Paulo (SP), Brasil

]]>
http://flacso.org.br/2022/12/21/flacso-brasil-e-fneei-divulgam-relatorio-sobre-educacao-escolar-indigena-no-brasil/feed/ 0
Flacso Brasil participa da Assembleia do Conanda em Brasília http://flacso.org.br/2022/12/16/flacso-brasil-participa-da-assembleia-do-conanda-em-brasilia/ http://flacso.org.br/2022/12/16/flacso-brasil-participa-da-assembleia-do-conanda-em-brasilia/#respond Fri, 16 Dec 2022 20:24:17 +0000 https://flacso.org.br/?p=29807

 

Aconteceu ontem (15/12), em Brasília, a 310° Assembleia do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e dos Adolescentes (Conanda). A atividade foi conduzida pelo Presidente do Conanda, Diego Alves. Assembleia aconteceu com as parcerias da Flacso Brasil, por meio do Comitê de Participação de Adolescentes, além da Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI). A realização do evento foi feita pelo Conanda e Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, vinculada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

A mesa de abertura teve a participação da Diretora da Flacso Brasil, Rita Potyguara. Na sua fala, Rita destacou o compromisso da Faculdade em atuar conjuntamente com vários atores para garantir os direitos das crianças e adolescentes.  “Queremos reafirmar o compromisso da Flacso em colaborar com o governo e com a sociedade civil para as lutas, questões e problemáticas que envolvem os direitos e participação das crianças e adolescentes”, disse a gestora da Flacso. A Diretora ainda ressaltou a participação e governança executada por adolescentes como necessária para reconhecer os direitos legítimos destes.

Os adolescentes se posicionaram durante a cerimônia e apontaram suas principais preocupações e anseios. “O protagonismo e a participação são necessários para que possamos mudar a realidade de nossas crianças e adolescentes brasileiras”, disse Ramon Lima, representante do Amazonas no CPA.

Safira Rosa, quilombola Kalunga da comunidade Vão de Alma e representante de Goiás no CPA seguiu a fala de seu colega e reforçou: “foi por muita luta que chegamos até aqui. Estamos aqui para lutar pela crianças e adolescentes desse país”.

O Presidente da Conanda aproveitou e reconheceu o posicionamento dos participantes adolescentes: “se a gente está falando de adolescente, eles devem estar aqui, com sua voz e protagonismo. O CPA nos levará mais adiante, com mais direitos e com mais participação”, disse durante a Assembleia.

A mesa ainda teve a participação de Daniela Martins, representando a secretária nacional adjunta dos direitos da criança e do adolescente; Telma Silva, Gerente de Projetos da OEI; Antônio Lacerda, representando o Fórum Nacional do Direito da Criança de Adolescentes; além dos conselheiros da sociedade civil e do governo. O evento ainda contou com a presença dos acompanhantes dos adolescentes, que estavam presentes ouvindo as discussões e deliberações.

Veja a 310° Assembleia do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e dos Adolescentes completa pelo YouTube: https://www.youtube.com/@CONANDAonline

 

]]>
http://flacso.org.br/2022/12/16/flacso-brasil-participa-da-assembleia-do-conanda-em-brasilia/feed/ 0
Participação, incidência e trocas de experiências marcam as discussões do Encontro Nacional do Adolescentes apoiado pela Flacso Brasil http://flacso.org.br/2022/12/14/participacao-incidencia-e-trocas-de-experiencias-marcam-as-discussoes-do-encontro-nacional-do-adolescentes-apoiado-pela-flacso-brasil/ http://flacso.org.br/2022/12/14/participacao-incidencia-e-trocas-de-experiencias-marcam-as-discussoes-do-encontro-nacional-do-adolescentes-apoiado-pela-flacso-brasil/#respond Wed, 14 Dec 2022 12:15:56 +0000 https://flacso.org.br/?p=29705

O encontro é resultado de dois anos de gestão do Comitê de Participação de Adolescentes (CPA) junto ao Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda). O evento buscou efetivar a participação juvenil na política de promoção, proteção e garantia de Direitos Humanos no Brasil.

Desde criança, quando crescia na capital do Maranhão – São Luiz, Ana Beatriz sentia a necessidade de mudança da realidade em que vivia. Hoje, aos 17 anos e representando várias organizações influentes no campo do direito de crianças e adolescentes, Bia – como é conhecida pelos mais próximos – tem a possibilidade de discussão das mudanças para sua geração com outros colegas da sua idade. Bia é um dos exemplos de adolescentes que estão reunidos em Brasília durante três dias para o Encontro Nacional do Comitê de Participação de Adolescentes (CPA) do Conselho Nacional dos Direitos da Crianças e Adolescentes (CONANDA).

Outros 33 membros de todas as regiões do país se somam com Beatriz para discutir a “participação de adolescentes no CPA: memória, aprendizagens e conquistas”. O espaço de troca é promovido pelo Conanda e a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNDCA/MMFDH), em parceria com a Flacso Brasil e a Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI).

“Hoje a minha filha está totalmente me representando: a Margareth Diniz dos anos 90”, disse orgulhosa a mãe de Beatriz ao citar a importância do evento para a escuta do que os adolescentes têm a contribuir para uma sociedade mais justa. “Estamos apoiando os adolescentes a terem voz, porque a sociedade é muito fechada e acha que criança e adolescente não tem direito de fala, de se expressar e de dar sua opinião!”, exclamou a mãe.

Beatriz Diniz ainda jovem coleciona representações pela luta de direitos de meninas da sua idade. Além de ser o nome pelo Maranhão no CPA, Ana Beatriz é Representante do Brasil na Rede Sur de Crianças e Adolescentes do Mercosul (RedSurca); Educadora Par pelo Plan International, organização não governamental que atua em 80 países pelos direitos das meninas; integrante do Comitê Meninas Decidem da Rede Malala, do Fundo Malala. E a lista de competências e habilidades não para: além de ativista, Beatriz também é artista e cantora.

“Hoje nós viemos aqui para um espaço de deliberação: um espaço para comemorar pelas nossas conquistas e olhar os grandes desafios no cenário brasileiro”, declarou Beatriz Diniz. A adolescente aproveitou para alertar sobre o aumento dos enfrentamentos e desafios causados à sua geração por conta da COVID-19. “Hoje nós temos adolescentes espalhados por todos os estados do Brasil que tem seus percursos e que trazem suas experiências como colheitas para que nos abracemos, mas também possamos olhar outros caminhos para a próxima gestão”, ressaltou Beatriz.

Enquanto os principais integrantes do encontro discutiam em uma sala sobre seus anseios e experiências, os acompanhantes permaneciam em outra sala debatendo sobre o direito de participação dos adolescentes. Suely Santos é de Cavalcante, Goiás, a cidade com o maior quilombo do Brasil. Da comunidade Calunga Vão de Alma, a quilombola e mãe viu a perspectiva do lugar onde mora mudar radicalmente nos últimos tempos.

A realidade da falta de serviços mudou e Suely comemora que agora pode apoiar sua filha em condições melhores que a de anos anteriores. “Eu tenho muito orgulho de ver minha filha nessa posição hoje. Eu não tive oportunidade e hoje minha filha tem”, declarou a Suely.

Enquanto a mãe se orgulhava da filha, Safira pegava o microfone e declarava em bom som: “eu sofri muito racismo na escola e sou muito feliz de estar aqui calando a boca dos estudantes que disseram que eu não tinha potencial. Estou aqui abrindo portas, porque depois de mim estão vindo outras Safiras que estão mudando a situação da minha cidade e as histórias das Calungas”.

Safira reconhece que a sua luta por direitos é resultado dos espaços abertos pelos seus antepassados e ancestrais quilombolas, além dos esforços de sua mãe, que batalhou para garantir a educação e possibilidade de fala sobre a identidade étnica das pessoas pretas.

Durante o evento houve o reforço de uma palavra: o protagonismo. Os adolescentes foram diretos ao dizer que sem a participação de crianças e adolescentes em espaços de deliberação e decisão não há uma política representativa que de fato atenda às necessidades do grupo. Maria Alejandra compreende bem essa discussão e esteve presente no Encontro Nacional em nome dos adolescentes migrantes.

Natural da Venezuela e residente em Roraima, Alejandra destaca o esforço para que pessoas da sua idade possam acessar os direitos garantidos a crianças e adolescentes migrantes. “O Brasil tem mais de cinco fronteiras e a nossa representação tem de estar ativa para poder discutir sobre políticas públicas para as pessoas que superam as fronteiras e se tornam refugiados aqui no país”.

Maria ainda espera ampliar as informações sobre os direitos garantidos no Estatuto da Criança e Adolescente (Eca) para a sua rede de pessoas em situação de migração. “Há anos atrás eu não tinha expectativa do que eu queria para a vida, mas eu cheguei aqui e agora sei para onde vou”, ressaltou a adolescente.

Os povos indígenas também tiveram sua representante na discussão. Joana da Conceição, mais conhecida como Joana Truká, veio ao Encontro Nacional para ecoar a voz de 305 povos indígenas do Brasil e os 12 povos de Pernambuco. Representando o povo Truká, no Semiárido pernambucano, Joana fala pelas comunidades Truká, da ilha de assunção, Truká-Tapera, da ilha homônima, e Truká Tupã, distribuídos entre os municípios de Cabrobó e Orocó, em Pernambuco.

“O CPA é um espaço de escuta e acolhimento. Aqui eu posso trazer a minha diversidade e a minha cultura”, disse Joana Truká. A indígena reconhece que há sistemáticas violências históricas de apagamento dos povos indígenas na sua região e que as crianças e adolescentes são as principais afetadas. “As infâncias indígenas são apagadas e há silenciamentos por parte do Estado e da sociedade. No Comitê de Participação de Adolescentes nós quebramos o silenciamento e podemos falar e trabalhar políticas públicas voltadas aos enfrentamentos das violências sofridas pelas infâncias indígenas”, destacou a adolescente.

Paraibana e de religião de matriz africana, Manuella Katiacy, conhecida como Manuela de Oyá, carrega na sua trajetória de vida a força dos seus orixás, a partir da sua religiosidade como candomblecista. Manuela participa do CPA a partir dos esforços e indicação da Casa de Cultura Ilê Ase D’osogiân (CCIAO).

“Mãe Tuca, Pai Renato e minha mãe Josy de Xangô nunca desistiram de mim até quando eu mesmo desisti. Hoje eu estou aqui compreendendo minhas responsabilidades e que sabe o que fala quando se posiciona”, relembrou Manuela sobre as lideranças candomblecistas que impulsionaram sua trajetória de incidência. “Ter uma cadeira da diversidade é importante pela contribuição que um adolescente que participa da cultura de matriz africana pode trazer em espaços de decisão”, finalizou a adolescente ao declarar o orgulho que tem das suas práticas de cultura e fé.

Os olhares alegres, os sorrisos e gargalhadas em um espaço descontraído e motivador também dão lugar para discussões sérias e comprometidas com vários grupos sociais representados no Comitê de Participação do Adolescente. Amor é o principal sentimento destacado quando os adolescentes são abordados sobre a experiência no CPA.

Liberdade de expressão é um dos direitos mais valorizados dentro do espaço de escuta pelas adolescências representadas. Durante os próximos dias, os participantes serão colocados para reflexão e apresentação de propostas para superação dos problemas e desafios do grupo ao qual fazem parte. Os participantes do Encontro Nacional irão produzir podcast, vídeos e conteúdos para as redes sociais como ferramenta para amplificar a discussão sobre direitos para crianças e adolescentes. O encerramento acontecerá com uma assembleia do Conanda, na quinta-feira próxima (15).

]]>
http://flacso.org.br/2022/12/14/participacao-incidencia-e-trocas-de-experiencias-marcam-as-discussoes-do-encontro-nacional-do-adolescentes-apoiado-pela-flacso-brasil/feed/ 0
Flacso Brasil discute moradia para população em situação de rua em seminário nacional http://flacso.org.br/2022/12/09/flacso-brasil-discute-moradia-para-populacao-em-situacao-de-rua-em-seminario-nacional/ http://flacso.org.br/2022/12/09/flacso-brasil-discute-moradia-para-populacao-em-situacao-de-rua-em-seminario-nacional/#respond Fri, 09 Dec 2022 12:01:25 +0000 https://flacso.org.br/?p=29677

Na última segunda (05/12), a Coordenadora Administrativa da Flacso Brasil, Flávia Marins, participou do Seminário Nacional: Estratégias para Implantação do Projeto Moradia Primeiro no Brasil. O evento aconteceu na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF), e é resultado do projeto de cooperação técnica entre a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso Brasil) e o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), em parceria com o Instituto Nacional de Direitos Humanos da População de Rua (INRua).

“Eu espero que a partir desse Seminário nós possamos trabalhar em cima de políticas públicas para todas as populações em situação de risco. O nosso trabalho é entregar para a sociedade brasileira meios e possibilidade de melhorar as condições de pessoas em situação de vulnerabilidade social”, disse a Coordenadora Administrativa da Flacso Brasil durante o evento.

As atividades fazem parte de um conjunto de ações que visam criar um referencial baseado no modelo Housing First, para implantação de metodologia de atendimento à população em situação de rua com acesso imediato à moradia segura, dispersa no território, integrada à comunidade e com acompanhamento social e domiciliar de equipe técnica especializada.

Na oportunidade, os realizadores do Seminário apresentaram o Guia Brasileiro de Moradia Primeiro (Housing First) além do documentário “Moradia Primeiro: um novo conceito de garantia de direitos”.

Veja a transmissão completa do evento aqui.

]]>
http://flacso.org.br/2022/12/09/flacso-brasil-discute-moradia-para-populacao-em-situacao-de-rua-em-seminario-nacional/feed/ 0
Fórum Nacional de Educação Escolar Indígena recebe apoio da Flacso Brasil para realização em Luziânia, Goiás. http://flacso.org.br/2022/12/05/forum-nacional-de-educacao-escolar-indigena-recebe-apoio-da-flacso-brasil-para-realizacao-em-luziania-goias/ http://flacso.org.br/2022/12/05/forum-nacional-de-educacao-escolar-indigena-recebe-apoio-da-flacso-brasil-para-realizacao-em-luziania-goias/#respond Mon, 05 Dec 2022 14:45:12 +0000 https://flacso.org.br/?p=29555

Entre os dias 30 de novembro e 03 de dezembro, a Flacso Brasil apoiou a realização do Fórum Nacional de Educação Escolar Indígena (FNEEI). A 6ª edição do evento aconteceu em Luziânia, Goiás, e contou com a participação da Diretora da Flacso, Rita Potyguara. Além da Diretora, os membros do Programa Cidadania, Participação Social e Políticas Públicas, coordenado por Kathia Dudyk, fizeram a relatoria do VI FNEEI. O evento contou com 520 indígenas, de 127 povos, entre professores, professoras, gestores e discentes de universidades federais vinculados à pauta.

A realização do Fórum buscou gerar uma reflexão interna sobre as condições da Educação Escolar Indígena no Brasil, os avanços e as perspectivas para o futuro. Os profissionais indígenas da educação de 23 estados e do Distrito Federal aproveitaram para definir pontos prioritários para atenção na educação dos povos originários. “O fórum foi criado pela vontade de vários povos indígenas de todos os estados que sentiram a necessidade de ter uma representação nacional para acompanhamento da elaboração e implementação das políticas sobre a educação escolar indígena”, disse Rose Sateré-Mawé, indígena doutoranda em Linguística e integrante da Comissão Organizadora do FNEEI.

A partir do evento, as lideranças escreveram documento que foi entregue para a equipe de transição vinculado ao GT de Educação do novo governo eleito e ao Ministério da Educação. “O retorno foi altamente positivo e foi uma conversa que deixou o canal aberto para diálogo em outros momentos”, disse Rita Potyguara, Diretora da Flacso Brasil e membro da Comissão Organizadora do VI FNEEI. Além da equipe de transição, o Fórum realizou diálogo com o Ministério Público Federal (MPF), que se aproximou das discussões com as lideranças.

Aline Quintão, Fábio Merladet, Luciano Ribeiro e Bárbara Nonato, do Programa Cidadania, Participação Social e Políticas Públicas, além de Tarisson Nawa, da Assessoria de Comunicação da Flacso Brasil, participaram das discussões e destinaram esforços para a realização e cobertura do evento. “Enquanto programa Cidadania temos sido parceiros em projetos e ações de desenvolvimento, registro e sistematização do processo de avaliação das políticas e da gestão da educação escolar indígena” declarou Bárbara Nonato, da Flacso Brasil, ao apontar que a instituição também colaborou com a construção da metodologia de processos participativos que contribuíram com a política pública, por meio da proposição de diretrizes, estratégias e mecanismos, a exemplo da 1ª Conferência Nacional de Política Indigenista e da 2ª Conferência Nacional de Educação Escolar Indígena.

A partir do evento, as lideranças esperam institucionalizar o Fórum Nacional de Educação Escolar Indígena e aumentar a representação de todos os povos e estados. A ideia é congregar a diversidade étnica das populações originárias com apoio dos aliados à pauta da educação escolar indígena. “Nós queremos fazer mais que um evento; nós queremos dar uma solidez a esse Fórum e ampliar para a máxima participação entre os parentes e não parentes”, finalizou Rita Potyguara.

]]>
http://flacso.org.br/2022/12/05/forum-nacional-de-educacao-escolar-indigena-recebe-apoio-da-flacso-brasil-para-realizacao-em-luziania-goias/feed/ 0
Boletim Informativo do CPA: edição de outubro http://flacso.org.br/2022/11/28/boletim-informativo-do-cpa-edicao-de-outubro/ http://flacso.org.br/2022/11/28/boletim-informativo-do-cpa-edicao-de-outubro/#respond Mon, 28 Nov 2022 20:39:05 +0000 https://flacso.org.br/?p=29483

Confira aqui o Boletim Nº 14 – outubro/22!

CPA

O CPA é um projeto executado pela Flacso Brasil em parceria com o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), a Secretaria Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (SNDCA/MMDFDH) e a Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI).

 

 

 

.

]]>
http://flacso.org.br/2022/11/28/boletim-informativo-do-cpa-edicao-de-outubro/feed/ 0
Colégio Latino-Americano de Estudos Mundiais lança livro sobre raça e racismo no Brasil http://flacso.org.br/2022/11/23/colegio-latino-americano-de-estudos-mundiais-lanca-livro-sobre-raca-e-racismo-no-brasil/ http://flacso.org.br/2022/11/23/colegio-latino-americano-de-estudos-mundiais-lanca-livro-sobre-raca-e-racismo-no-brasil/#respond Wed, 23 Nov 2022 21:34:26 +0000 https://flacso.org.br/?p=29475

O Colégio Latino-Americano de Estudos Mundiais da Flacso Brasil, em parceria com a editora alemã De Gruyter, lança o livro “Raça e Racismo na América Latina e no Caribe: uma visão cruzada sobre o Brasil (Race and Racism in Latin America and the Caribbean: a crossview from Brazil, título original em inglês).

A publicação em inglês é de autoria de Rebecca Lemos Igreja (Flacso Brasil/UnB), Richard Santos (Universidade de Feira de Santana, Bahia, Brasil) e Carlos Agudelo (Universidade de Paris, França)

A obra faz parte da série editorial América Latina em Perspectiva: Sociedade, Cultura e Política (Latin American in Perspective: Society, Culture and Politics). As obras se baseiam no conceito de que perspectivas, experiências, estruturas teóricas e pesquisas empíricas latino-americanas podem contribuir para o debate sobre grandes problemáticas globais.

“Raça e Racismo na América Latina e no Caribe” discute a questão racial na América Latina inserindo a perspectiva do Brasil no debate regional, ao mesmo tempo em que contrasta com as perspectivas nacionais mais comuns e destaca o intercâmbio entre os mundos luso e hispano.

O volume ainda oferece um panorama dos debates históricos e contemporâneos sobre a questão racial na região; enfatiza, em especial, a herança da escravidão, a persistente subordinação da população negra junto com sua mobilização e trocas, a centralidade da luta antirracista e seus principais atores e intelectuais; o impacto das políticas multiculturais e de igualdade racial e o desenvolvimento de categorizações.

Sobre a série de publicações

A série se baseia no conceito de que perspectivas latino-americanas específicas, estruturas teóricas e pesquisas empíricas refletem o debate sobre questões globais mais amplas no contexto de tendências multidimensionais e globalizadas. Por meio de uma seleção diversificada de colaboradores, a série se concentrará em análises inter-regionais e promoverá abordagens interdisciplinares, multissituadas, empíricas e comparativas. A América Latina em Perspectiva: Sociedade, Cultura e Política será um fórum para a discussão de temas atuais em torno de temas sociais, políticos e judiciais locais e regionais, explorando questões como desigualdades e justiça social. Concentrando-se em publicações com um foco empírico rigoroso, a série visa inspirar proposições teóricas mais amplas e debates informados pelas tendências internacionais atuais em metodologia e teoria.

O lançamento oficial da obra irá acontecer em dezembro. Para conhecer e ter acesso ao livro, acesse: https://bit.ly/3Vvtw1u

]]>
http://flacso.org.br/2022/11/23/colegio-latino-americano-de-estudos-mundiais-lanca-livro-sobre-raca-e-racismo-no-brasil/feed/ 0
Flacso Brasil anuncia as inscrições abertas para o Hackathon Web3 – Tokenização do Patrimônio da União http://flacso.org.br/2022/11/22/flacso-brasil-anuncia-as-inscricoes-abertas-para-o-hackathon-web3-tokenizacao-do-patrimonio-da-uniao/ http://flacso.org.br/2022/11/22/flacso-brasil-anuncia-as-inscricoes-abertas-para-o-hackathon-web3-tokenizacao-do-patrimonio-da-uniao/#respond Tue, 22 Nov 2022 18:43:20 +0000 https://flacso.org.br/?p=29451

Maratona sobre educação e construção de soluções blockchain na Web3 convida a superar desafios na gestão do patrimônio da União

Estão abertas as inscrições para o Hackathon Web3 – Tokenização do Patrimônio da União, uma maratona sobre educação e construção de soluções blockchain na Web3 para os desafios da administração pública na gestão do patrimônio da União. O evento é gratuito e aberto a todos, e acontece entre os dias 17 de novembro e 15 de dezembro, com distribuição de 150 mil reais em prêmios. A pré-inscrição já está aberta pelo link https://bit.ly/HackathonWeb3Brasil.

Durante o período de inscrições, que vai de 17 de novembro a 2 de dezembro, serão realizados workshops de conteúdo e de programação. Na fase seguinte do hackathon, os participantes contarão com suporte contínuo para o desenvolvimento de suas soluções e para tirarem dúvidas. É uma oportunidade única de aprender e criar a partir da colaboração de diferentes agentes e pontos de vista. A atividade culminará com a apresentação das soluções até o dia 11 de dezembro, e a premiação de projetos no dia 15 de dezembro.

A iniciativa é uma parceria entre a Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União (SPU), órgão do Ministério da Economia responsável pela gestão do patrimônio da União, o Serpro, maior empresa pública para soluções em tecnologia do governo, e a Escola Nacional de Administração Pública – Enap, seguindo suas iniciativas pioneiras para a transformação digital dos seus processos de gestão e de relação com cidadãos. As entidades uniram expertise com outros parceiros, a Flacso e a Fundação Celo, para a realização dessa primeira atividade educacional colaborativa em Web3 entre membros da administração pública e da sociedade civil. O objetivo do Hackathon Web3 – Tokenização do Patrimônio da União é fomentar a educação sobre o tema da Web3, e estimular a co-criação de soluções para desafios da administração pública federal.

O tema principal do hackathon envolve a tokenização de ativos da União em blockchain, e casos de uso relacionados as seguintes atribuições legais da SPU, e definidas pela entidade:

Problema 1: Caracterização e Incorporação
Registro de Imóveis, Matrículas e Cadeia Dominial
Emissão de Títulos com Força de Escritura Pública
Problema 2: Destinação dos Bens da União
Cessão de Uso (Locação, Arrendamento, Inscrição de Ocupação e Comodato),
Preservação Ambiental (Crédito de Carbono, Reserva Legal, Recuperação Ambiental);
Venda (Leilão, Venda Direta); e
Fundo de Investimento Imobiliário
Problema 3: Gestão de Contratos
Gestão, Compliance e Fiscalização

Indicação

Este desafio é aberto ao público e destinado a qualquer indivíduo que se interessa por contribuir com a resolução de problemas do mundo real através da tecnologia Web3. Encorajamos fortemente a participação de indivíduos com diferentes expertises no desafio – programadores, advogados, engenheiros, cartógrafos, indústria financeira. Este é um desafio para participação em equipe de no mínimo duas pessoas. A inscrição é pessoal, e será oportunizado momento durante o desafio para a formação de equipes.

AGENDA

Confira a agenda do evento:
16/11 a 02/12: período de inscrições
21/11 a 01/12: sessões de workshop online
03/12: cerimônia de abertura
03/12 a 11/12: Hackathon Web3 – Tokenização do Patrimônio da União
11/12: entrega dos projetos
12/12 a 14/12: avaliação do projetos
15/12: cerimônia de encerramento

 

 

 

]]>
http://flacso.org.br/2022/11/22/flacso-brasil-anuncia-as-inscricoes-abertas-para-o-hackathon-web3-tokenizacao-do-patrimonio-da-uniao/feed/ 0
Flacso Brasil participa de reunião do Comitê Diretivo do Sistema Flacso no Uruguai http://flacso.org.br/2022/11/16/flacso-brasil-participa-de-reuniao-do-comite-diretivo-do-sistema-flacso-no-uruguai/ http://flacso.org.br/2022/11/16/flacso-brasil-participa-de-reuniao-do-comite-diretivo-do-sistema-flacso-no-uruguai/#respond Wed, 16 Nov 2022 13:12:06 +0000 https://flacso.org.br/?p=29428 Aconteceu nos dias 14 e 15/11, em Montevideo, no Uruguai, a reunião do Comitê Diretivo (CD) do Sistema Flacso. A agenda foi realizada no Radisson Montevideo Victoria Plaza Hotel e teve o objetivo de ser um espaço para discutir e deliberar sobre normativas e avanços do Sistema. A Diretora da Flacso Brasil, Rita Potyguara; a Coordenadora Administrativa, Flávia Marins; e a Secretária Acadêmica, Marcelle Tenório, participaram da reunião, que aconteceu de forma híbrida: virtual e presencial.

Na manhã do primeiro dia (14/11), houve a deliberação dos participantes da reunião sobre a aprovação da especialização em Cultura e Educação, coordenada por Renata Montechiare, do Programa Estudos e Políticas de Cultura e Diversidade da Flacso Brasil. A especialização foi aprovada para continuidade da oferta de vagas para os próximos cinco anos.

“Para nós, da Flacso Brasil, é uma oportunidade de compartilhamento das experiências e atividades que temos alcançado no desenvolvimento de nossas atividades acadêmicas e de cooperação técnica”, disse a Diretora da Flacso Brasil, Rita Potyguara.

O segundo dia foi dedicado à oficina e atividades de balanço das Unidades Acadêmicas. Os diretores debateram a criação de um diplomado sobre migrações com a participação de várias unidades na gestão do curso. A iniciativa foi bem avaliada pela necessidade de construções de agendas conjuntas. As Flacsos Chile, Argentina, Brasil, Guatemala, Equador, México e Uruguai elogiaram a proposta.

“Nossa participação da reunião serve para pensarmos e mostrarmos como a Flacso Brasil se apresenta e colabora para a conformação do Sistema Flacso a partir das nossas especificidades brasileiras”, ressaltou a Diretora Rita. Ao falar do funcionamento das unidades acadêmicas, Rita comentou sobre experiências com “altas probabilidades de serem replicas, desde que sejam adaptadas ao contexto das unidades, programas e projetos dos países”, finalizou.

Os gestores também avaliaram as variantes do Informe Regional produzido pelo sistema Flacso. As lideranças dentro do Comitê Diretivo (CD) fizeram acrescimentos e mudanças na organização dos dados sobre os avanços das unidades acadêmicas que serão apresentados ao público e governos.

“Poder escutar vocês me faz ter noção que as atividades do Sistema Flacso não acontecem de forma isolada”, comentou Roberto Lopez, Diretor da Flacso El Salvador. O Diretor da Unidade Acadêmica foi recentemente empossado e estava presente na modalidade virtual.

“Temos uma excelente equipe na Flacso e precisamos fortalecer nossa articulação para incidir nos debates regionais de forma mais intensa”, destacou Valentina Delich, Diretora da Flacso Argentina e atual presidente do Comitê Diretivo.

A reunião finalizou na tarde de ontem (15/11). Os diretores se juntarão às suas equipes das Unidades Acadêmicas para fortalecimento do campo das Ciências Sociais no V Congresso Latino-Americano e Caribenho de Ciências Sociais. As atividades da agenda em Montevideo, no Uruguai, iniciam hoje (16) e vão até sexta-feira (18/11). Para mais informações, acesse: https://flacso2022.uy/pt/home/

CRÉDITOS (imagens): Felipe Neumann – Flacso Chile

]]>
http://flacso.org.br/2022/11/16/flacso-brasil-participa-de-reuniao-do-comite-diretivo-do-sistema-flacso-no-uruguai/feed/ 0