Violências e convivências nas escolas brasileiras

Considerando a importância de análises que explicam as macros situações que envolvem a violência o espaço escolar, esta pesquisa visou conhecer mecanismos que as escolas constroem para a melhoria do clima escolar, revertendo de forma criativa situações relacionadas à violência, sob o olhar dos seus próprios integrantes. Tratou-se de criar as bases de uma escola que tenha consciência da violência como fenômeno que se constrói socialmente e, portanto, é passível de ser evitado.

Por meio de grupos focais e entrevistas, foi analisado o cotidiano das escolas em seus aspectos relacionados com a violência escolar e suas possíveis soluções. A partir do discurso dos pesquisados, propusemos um diálogo com o referencial teórico e a orientação sobre possibilidades na resolução dos problemas. Os resultados foram sistematizados em material didático publicado ao final do projeto.

 

Objetivos

– Investigar as violências no ambiente escolar, a “violência dura”, a micro violência, a violência institucional e a violência simbólica, sobretudo no que diz respeito a gênero, classe, raça e homofobia.

– Analisar os tipos de incidentes ocorridos, a frequência e a gravidade dos mesmos.

– Dar visibilidade às experiências e práticas positivas de inovação e mudança nas escolas.

– Compreender a percepção dos atores envolvidos sobre o clima escolar, as relações sociais, as medidas para enfrentar as violências e a formas de lidar com o fenômeno.

– Oferecer orientações sobre como melhorar o clima escolar, a fim de que seus atores sejam sensibilizados para a situação das escolas e que estas se sintam dispostas a engajar-se na busca de soluções para os problemas detectados.

 

Público envolvido

Alunos, pais e responsáveis, professores, orientadores educacionais e Diretores dos níveis de ensino fundamental e médio

 

Período

2011

 

Abrangência

Salvador/BA, Fortaleza/CE, Belo Horizonte/MG, São Luis/MA, Belém/PA, Maceió/AL, Vitória/ES

 

Parceria

Ministério da Educação

 

Patrocínio

Organização dos Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI)

 

Equipe

Miriam Abramovay (Coordenadora)

Últimas notícias do projeto

Câmara de Porto Alegre lança protocolo de prevenção à violência escolar

A socióloga Miriam Abramovay, coordenadora da Área de Juventude e Políticas Públicas da 𝐅𝐥𝐚𝐜𝐬𝐨 𝐁𝐫𝐚𝐬𝐢𝐥, apresentou uma série de estudos durante o lançamento do protocolo para prevenção de violência escolar na Câmara de Porto Alegre (RS). Na avaliação dela, o desafio agora é fazer com que o protocolo concretize ações efetivas do governo.

Leia mais+

A violência no contexto escolar em 2017

A socióloga Miriam Abramovay, coordenadora de Estudos e Políticas sobre a Juventude da Flacso Brasil, analisa a violência nas escolas em texto publicado no 13° Anuário Brasileiro de Segurança Pública. O estudo, lançado no dia 10 de setembro, é produzido pelo  Fórum Brasileiro de Segurança Pública e compila dados sobre os mais diversos tipos de violência e criminalidade.

Leia mais+
Este projeto pertence aos seguintes programas: Estudos e Políticas sobre a Juventude