‘Nesses 30 dias em que estarei como governador, polícia não entra’, disse.
Profissionais de educação protestam contra mudanças na Rioprevidência

Escola ocupada por alunos da rede estadual de educação (Foto: Agência Brasil)

Escola ocupada por alunos da rede estadual de educação (Foto: Agência Brasil)

“Nesses 30 dias em que estarei como governador, polícia não entra em escola”, prometeu  Francisco Dornelles, que ocupa o cargo enquanto Luiz Fernando Pezão está licenciado para tratar um câncer. A declaração sobre as ocupações de estudantes em escolas foi dada nesta quarta-feira (30), na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), quando o governador em exercício se reuniu com membros do colégio de líderes da Casa.

A declaração de Dornelles sobrepõe o que o secretário estadual de Educação, Antonio Vieira Neto, anunciou em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira (28). Neto afirmou que entraria com ação judicial para reintegrar a posse do Colégio Estadual Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, Zona Norte do Rio. A unidade está ocupada desde a segunda-feira (21) por cerca de 20 alunos.

 Na última quarta-feira (23), uma reunião na tarde entre o secretário estadual de Educação, Antonio Neto, e representantes do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), terminou sem que houvesse consenso entre as partes. Os estudantes seguiam ocupando o prédio da escola até esta terça-feira (29).

Enquanto os parlamentares se reuniam com o governador em exercício, profissionais de educação protestavam do lado de fora da Alerj. No início da tarde, houve confusão e seguranças da Casa chegaram a fazer uso de spray de pimenta para tentar dispersar os manifestantes. Ao fim da reunião, enquanto Dornelles deixava a Alerj por uma porta, o protesto continuava, por volta de 15h.

Dornelles (sentado à direita) reunido com parlamentares na Alerj (Foto: Divulgação Governo do Estado)

Dornelles (sentado à direita) reunido com parlamentares na Alerj (Foto: Divulgação Governo do Estado)