Foram 93 ocorrências registradas no primeiro semestre deste ano frente a 56 no mesmo período de 2011 nas cidades de Londrina, Cambé, Ibiporã e Tamarana

De janeiro a junho deste ano, o número de homicídios na região de Londrina cresceu 66% em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 93 ocorrências contra 56 nas cidades de Londrina, Cambé, Ibiporã e Tamarana juntas. Os números do mapa da violência do Paraná foram divulgados ontem pela Secretaria de Estado de Segurança Pública do Estado (Sesp).

A situação do Norte do Paraná é oposta à verificada em Curitiba, que apresentou redução de 15% no número de homicídios em relação ao mesmo período do ano passado, mas a mesma que a maioria das cidades do Estado, onde foi registrada uma alta de 6,4% nesse tipo de crime.

Em todo o Paraná, até julho, foram contabilizados 1.552 assassinatos contra 1.531 no primeiro semestre de 2011. A Sesp classificou Londrina entre as cidades mais críticas, ao lado de Foz do Iguaçu e Cascavel. “Londrina deve receber a primeira UPS [Unidade Paraná Seguro] do interior”, disse em nota o secretário da pasta, Reinaldo de Almeida Cesar.

Do total de homicídios na região, 57 foram registrados apenas em Londrina. O número é superior ao contabilizado no primeiro semestre do ano passado nas quatro cidades que fazem parte da região, que somou 56. No primeiro semestre deste ano, ocorreram 25 homicídios dolosos em Cambé, 7 em Ibiporã e 4 em Tamarana. Além dos 93 homicídios deste ano, a Polícia Civil também registrou um latrocínio – roubo seguido de morte – em Londrina.

Os crimes contra o patrimônio, como furto e roubo, também registraram alta na região. No primeiro semestre de 2011 foram registrados 19.352 crimes deste tipo. No mesmo período de 2012, o número subiu para 20.156, um aumento de mais de 4%.

Os crimes contra a administração pública tiveram uma redução de 6,5%, baixando de 1.040 ocorrências no primeiro semestre de 2011 para 972 casos no mesmo período de 2012. Os outros crimes consumados na região, que não se enquadram nas outras categorias, também apresentaram queda, de 5.390 ocorrências nos seis primeiros meses do ano passado para 5.368 para o mesmo período de 2012, diminuição de 0,41%.

Preocupação
Em nota enviada pela assessoria da Secretaria Estadual de Segurança, o secretário Reinaldo de Almeida César mostrou preocupação com o aumento da violência na região de Londrina. “Estamos trabalhando com implantação de UPS no interior do Estado neste ano ainda. Vai depender de estudo técnico. A região de Londrina como um todo preocupa, em relação aos índices, é preciso entender o que está acontecendo”, declarou.

Para o professor do departamento de Psicologia da Universidade Estadual de Londrina e doutor na área de violência Alex Gallo está ocorrendo uma migração do crime para o interior do Estado. “Os investimentos do governo do Estado na área de segurança têm se intensificado na região de Curitiba. Como Londrina é a maior cidade do interior acaba atraindo esses criminosos, que estão perdendo terreno na região da capital”, avaliou.

Para Alex Gallo, as explosões de caixas eletrônicos, por exemplo, que têm acontecido de maneira repetida na região, são reflexo dessa possível migração de bandidos. Desde o começo do ano, Londrina já registrou nove ataques a terminais de autoatendimento, cinco roubos e quatro danos.

Para o professor, os investimentos na cidade e na região precisam aumentar. “Londrina fica na rota do tráfico, entre o Paraguai e São Paulo. É uma região crítica, que precisa de segurança, de investimentos do governo”, disse.